[...] "Dia nítido, lavado pelo Capibaribe, o rio ninando o Recife, o Recife criança em seus braços maternos". Mauro Mota, poema Domingo no Recife.

Domingo no Recife, alguns foram passar o fim-de-semana na praia, outros na fazenda, nos bairros as pessoas se reúnem nas calçadas para colocar os assuntos em dia e depois almoçar. Para alguns, domingo também é dia de ir comprar jornal na banca ou simplesmente acordar mais tarde. Domingo é um dia em que os compromissos são esquecidos, por pelo menos algumas horas, um dia em que você tenta fazer o que não consegue na semana.

Domingo no Recife, eu gosto de caminhar, de por os pés fora de casa e hoje, decido ir ao rio Capibaribe, na região da Capunga, local onde houve a Ativação Capunga, na sexta e no sábado. O silêncio toma conta das margens e eu consigo ouvir minhas pisadas, viro o rosto em direção ao rio e vejo a capivara. Tento ficar o mais quieta possível, para não assustar o animal e ao olhar novamente, vejo que não é apenas uma, mas sim duas, isso mesmo duas capivaras: uma maior e outra menor.

Minha imaginação pensa: quem sabe sejam mãe e filho/a? Passo um momento observando-as, permanecem quietas, olhando em direção às águas. Fico ali por um tempo, até que pingos de água começam a cair e a capivara menor faz sinal para outra, interpreto que está querendo ir para outro lugar, provavelmente para não se molharem. O que realmente pensaram eu nunca saberei, ah...! a linguagem dos animais.

Perco-as de vista e decido então ir para mais perto do rio, vejo que elas desceram e ficaram num local mais protegido da chuva, permanecem imóveis, de vez em quando um pequeno movimento, as pegadas bem devagar. Fico pensando: capivaras são animais quietos? Vou ler sobre comportamento animal na internet e descubro que são conhecidas por terem um comportamento calmo, em seu corpo pousam pássaros. Confirmo então, minhas impressões iniciais, ao observar aquele animal.

Essas capivaras resistiram aos caçadores de sua carne e couro, à poluição do rio, ao barulho da cidade, à invasão do seu ambiente natural, enfim elas são velhas conhecidas do Capibaribe, tanto que batizaram o rio, pois Capibaribe significa rio das capivaras na língua tupi.

Recife é das capivaras, elas estão aqui muito antes de nós.