Eu já gostava de Triunfo e depois de conhecer o carnaval dos caretas, aumentou o encantamento por essa vila bucólica cravada no alto da serra. Uma festa com orquestra tocando na rua, percorrendo as ladeiras e levando alegria. Nas casas, velhos e velhas cheios de tempo sentados na calçada ou atrás de portas e janelas, admirando o povo passar, eles são alguns dos personagens dessa cidade-afeto.

Os caretas passeando pelo centro, tirando fotografias com os passantes, fazendo graça, trazendo seu ar misterioso para as ruas. Levam poesia nas tabuletas, quadros com frases de sabedoria popular que compõem a fantasia e alimentam a tradição. Coisa boa é quando um povo preserva sua história e os triunfenses dão aulas de como fazer isso, tanto que criaram um centro cultural dedicado a essa figura lendária da cidade, um espaço situado num casarão antigo que foi reformado. Tive a sorte de presenciar a abertura, depois acompanhar o cortejo dos caretas pelas ruas e ver a foto histórica na escadaria da igreja matriz, as fantasias com os muitos tons da paleta da aquarela.

Ficar nas ladeiras, sentada em alguma mesa de bar, observando o casario histórico e ouvindo as bandas tocarem na praça do lago, cartão postal da cidade, eis que o clima de deixar a vida me levar invade a paisagem. E teve regaee, frevo, mpb, forró, uma programação multicultural para agradar todos os gostos. O clima de tranquilidade é marca do lugar, inclusive no carnaval, algo também fascinante.

Entre uma programação e outra, contemplar as águas do lago, sentir a variação da temperatura, o frio visita os poros sempre no final das tardes, coisa de lugar de montanha. Também pode olhar para o céu e ver a cerração, que borda a paisagem com mistério e fantasia.

Outros pequenos prazeres incluem comer pipoca com manteiga de garrafa sentada no banco da praça, pedir um sorvete com gosto de era uma vez o sabor da infância, ver as fantasias carnavalescas, apreciar a decoração da folia de momo e se deixar surpreender: triunfe-se.